Arquivo mensal: setembro 2011

Nove graus em dezembro

A incompletude me persegue
O quase, o inexato
Nasci em dia bissexto
Nove horas de parto
Três quilos novecentos gramas
Dezenove meses para andar
Nove dentes na boca
Nenhuma razão para falar

Ir-regular é o que me move
O que me incentiva
Quatro vírgula nove, cinco vírgula nove
Genialidade incompreendida

O amor me descabe
Me escangalha
As estações

É quase fim de ano na vinte e nove de setembro
Ferve o asfalto, abafa o vento
Pois hoje são nove anos de inverno
Tanto frio aqui dentro
E você apenas
Té+

Por ora
Noves fora
Nada


Autor: Luciano Motta