Arquivo mensal: março 2012

Sarça

Fogo Consumidor
queima o tronco ressequido
e os galhos retorcidos
de um arbusto comum.

Impressiona que o ardor
não lhe chamusca a casca,
tampouco se vê uma lasca,
fragmento algum.

Quem sou eu
senão a mesma sarça
que por pura graça
continuo de pé?

Acendeu
meu coração apagado,
agora foco de um chamado,
de uma causa, de uma fé.


Autor: Luciano Motta
Tradução em poesia do meu artigo Encontros e Movimentações