Arquivo da categoria: reflexões

Minha saudade se chama eternidade

Saudade Eternidade

É estranho perceber como a realidade presente é tão insatisfatória.
Estamos sempre com saudades.
Mas com saudades de que? De quem?
Medimos essa falta, esse vazio no peito por coisas vividas.
Por pessoas que não estão naquele determinado momento da nossa vida.
Mas quando as encontramos ficamos com saudades de outras!

É irônico perceber que vivemos por saudades.
Saudades de uma pizza que comemos na noite passada.
Saudades de um passeio que não levamos máquina fotográfica.
Saudades dos eventos da escola no ensino médio.
Saudades, saudades…

E assim só nos damos conta do presente quando ele vira passado.

Será que não conseguimos perceber que, como disse C.S.Lewis, se encontramos desejos que esse mundo não consegue satisfazer-nos, só podemos concluir que não fomos feitos para “este lugar”?
Existe um buraco negro dentro de nós que cismamos de nomeá-lo “saudades”.
Mas a essa nomenclatura eu me atrevo definir ETERNIDADE.
Não estou falando do céu, ou outra dimensão que só está disponível após a morte.
Estou falando de algo fora do tempo invadindo o nosso presente.
Estou falando do aqui e do agora.
O conhecimento da Glória de Deus em uma versão que jamais poderíamos sugerir ou imaginar.
Talvez o livro com a história da humanidade inspirado divinamente?
Ou a cultura de um povo escolhido pelo próprio Deus?
A natureza?
Não, não e NÃO!
É bem maior!
O que então?

O Filho de Deus abrindo mão da Sua Glória, se tornando homem, vivendo como nós, morrendo por nós e ressuscitando para nós.
O MAIOR conhecimento que Deus poderia dar de Si mesmo à nós, meros seres mortais, está na face do Seu Filho.

Minha vida começou de verdade quando fui descoberta por essa realidade.
A satisfação começou a sair da superficialidade de poucos minutos de prazer e começou a penetrar o profundo da minha alma.
Que os nossos olhos sejam abertos para a grandiosidade do que é a VIDA ETERNA.
Ela já começou, ela já está disponível.

MINHA SAUDADE SE CHAMA ETERNIDADE!

Reflexão de Isabelle Albuquerque

Anúncios

Notas

Minha filha Luana começou a tocar teclado. Chegou para mim na terça e disse que queria aprender. Tomou lugar diante do instrumento e executou as primeiras notas (e até acordes!) depois de duas aulas.

Um fato me marcou logo de saída: Luana foi às lágrimas depois de insistir em um exercício e não conseguir executá-lo. Ela queria porque queria fazer o exercício com perfeição. Seus dedinhos não atacavam as teclas direito pela miudeza de seus seis anos. Chorou porque teve de parar e ir dormir.

Quase que imediatamente, perguntei a mim mesmo: Quando foi a última vez que chorei por não conseguir executar o que meu Pai me ensinou?

Recomeços

Todos os dias recomeçamos a vida. Nossas segundas-feiras nos despertam para mais uma semana de trabalho, de aprendizado, de crescimento. Porque todos crescemos, ainda que não façamos nada. Os cabelos brancos e o enrugar da pele traduzem o desejo do corpo de continuar expandindo, verdadeiros novos começos, ininterruptos e silenciosos.

Precisamos de recomeços, pois às vezes perdemos o equilíbrio na corda bamba e caímos bem no meio do picadeiro da vida, aos olhos desta sociedade do espetáculo. Recomeços fazem parte da humanidade. Daqui a pouco é 2011. Mais tarde, 2012, 2013…

A questão não é recomeçar, é O QUE começar de novo.

Janela

Luciano e a janela da vida

Todos tem pelo menos uma janela, para se abrir ou para se fechar.

Janela é lugar de contemplação, de possibilidades, de escape.

É importante abrir as nossas janelas de vez em quando, a luz precisa entrar, o ar fresco deve soprar em nosso interior.

Abra-se. Deixe a Luz entrar.